Arquivo da categoria: Filosofia

Promove ações de cidadania, mas acha política um saco. Tem algo de errado nisso.

Certas pessoas assumem uma postura bacana diante da sociedade ao defender o cuidado com a cidade, incluindo praças, parques e jardins e com a coleta seletiva de lixo. Recolhem das calçadas o cocô de seu cachorro e até alguma embalagem que deveria ter ido para a lixeira mais próxima. Se esforçam por uma convivência cidadã mais respeitosa e harmônica, mas fogem da raia quando o assunto é política. Tem algo de muito estranho nisso.

Veja o que afirma o Prof. Mário Sérgio Cortella, em seu livro Não se desespere! – Provocações filosóficas:

Formar gerações que tenham a democracia como um princípio de gestão da vida coletiva a ser defendido e protegido é uma missão de quem educa. Isso significa que nós não podemos, por exemplo, fazer com que os jovens entendam os momentos de eleição ou de acompanhamento dos programas do Legislativo ou do Executivo como sendo uma obrigação penosa. Ao contrário, a democracia é um patrimônio, não é um encargo. É algo que enriquece a nossa existência.

Não se confunda política com partido. Partido é uma forma de se fazer política. Por exemplo, uma escola não deve partidarizar o debate, mas ela deve politizar o conteúdo. Em outras palavras, mostrar que política e cidadania são a mesma coisa. A diferença é que política está escrita em grego, e cidadania, em latim.

Muita gente às vezes supõe que política seja uma coisa negativa e cidadania uma coisa positiva. Vale recorrer à origem das palavras. Como dito antes, polis, em grego, gerou a palavra “política”, que significa “sociedade”, “cidade”. E civitate, em latim, é “cidade” também. Portanto, dizer que alguém é “cidadão” ou é “político” significa apenas a escolha de um idioma.

Assim, a política é vista como convivência coletiva, mesmo que moremos cada um em nossa própria, usando o latim, domus, ou seja, em casa, nosso domínio. Porém, na prática, porque vivemos juntos e só assim o conseguimos, a questão é que não temos domus, só temos con-domínios. Viver é conviver, seja na cidade, ainda que em casa ou prédio, seja no país, seja no planeta.

Finaliza o professor: a vida humana é condomínio. E só existe política como capacidade de  convivência exatamente em razão do condomínio. Não sejamos idiotas…

No clima da original filosofia de Gilles Deleuze e Guattari.

 No clima da original filosofia de Gilles Deleuze e Guattari.

“Não seja nem uno nem múltiplo, seja multiplicidades! Faça a linha e nunca o ponto! A velocidade transforma o ponto em linha! Seja rápido, mesmo parado! Linha de chance, jogo de cintura, linha de fuga. Nunca suscite um General em você! Nunca idéias justas, justo uma ideia. Tenha idéias curtas. Faça mapas, nunca fotos nem desenhos. Seja a Pantera cor-de-rosa e que vossos amores sejam como a vespa e a orquídea, o gato e o babuíno.”