Se eu mudar o mundo muda junto, ou, como converter dias cinzas em manhãs de alegria. (Parte I)

 Se eu mudar o mundo muda junto, ou, como converter dias cinzas em manhãs de alegria. (Parte I)

Todos os dias da vida são dias de aprendizado. Se o dia de hoje parece ser um daqueles iguais a tantos outros, preste atenção aos detalhes. E se você julga que não há nada de novo para aprender e para curtir neste dia, talvez seja a hora de limpar os óculos e buscar um olhar mais atento.

Limpar os óculos é a atitude de quem quer refinar a capacidade de enxergar as coisas, a começar por se enxergar. O autoconhecimento é o caminho por excelência para a transformação dos dias por vezes cinzentos em manhãs de alegria. Através dele deixamos de ser escravos das circunstâncias e descobrimos que muito das chateações rotineiras podem ser simplesmente transformadas em aprendizado, sem que sejamos escravizados por elas. Gosto quando alguém me partilha a verdade sobre seu estado de humor dizendo algo como: “nós brigamos porque eu estava estressado”, ao que me lembro sempre da sabedoria dos nossos avós que diziam “quando um não quer dois não brigam”…  Talvez, se o estressado estivesse em outra vibe que não a do “tocar terror”, uma briga poderia ser evitada, ficando só o aprendizado (nem que tal aprendizado fosse o de como realmente conseguimos suportar pessoas chatas sem que elas nos entristeçam em demasia, ou nos tirem a paz interior. Isso, claro, exige boa dose de verdade consigo mesmo e… muito treino.)

O ponto em questão é: quando não podemos evitar as circunstâncias desfavoráveis, as pessoas chatas, as tarefas cansativas, podemos mudar nossa postura diante destas fontes de insatisfação. Isso ocorre à medida em que cada de nós conhece seus próprios vícios de pensamento, sua forma mesquinha de julgar a vida e as armadilhas criativas da própria auto sabotagem.

Quando nos cansam certas “tristezas de estimação” e certas circunstâncias em que nos encontramos cotidianamente, mudar a forma de lidar com as coisas e com as pessoas ao seu redor é o caminho mais certeiro para promover uma transformação. Isso exige reconhecer nossa parcela de responsabilidade em cada situação e em cada acontecimento. Depois, devemos nos permitir ao menos tentar outros jeitos, outras lentes, outras formas de encarar a realidade e, procurando estar no amor,  recomeçar sempre. Afinal, como uma das belas canções de nossa MPB já afirmou, viver é como afinar um instrumento, de dentro prá fora e de fora prá dentro, a toda hora e a todo momento.